PAN concorre pela primeira vez ao Faial

O PAN concorre pela primeira vez, e com listas próprias, à Câmara e Assembleia Municipal da Horta. A candidatura à Câmara Municipal da Horta é composta por 15 elementos e será encabeçada por Hugo Rombeiro seguindo-se a Regina Santos, Eugénio Viana, Helena Krug, Paulo Silva, Dora Duarte, Marco Nascimento, Paula Fraga, Janete Chaves, Hélio Silveira, Nádia Machado, Carlos Amaral, Cristina Carvalho, Alexandre Costa e Patrícia Meirinho. A candidatura para a Assembleia Municipal é encabeçada por Regina Santos.

Apresentaremos um programa eleitoral centrado em recuperar o que de melhor se produz na ilha reduzindo assim a sua estrutural dependência externa. Há que contrariar a tendência de importação, altamente prejudicial para a economia local e para o ambiente. Neste sentido, promover o reforço da independência económica trará mais e melhor emprego.

O candidato deseja que o Faial seja pioneiro na agricultura biológica. Os próximos quadros comunitários após 2020 serão, na sua maioria, para este tipo de produção. É neste sentido que o município deve trabalhar dando, por exemplo, formação adequada à realidade local, desde de quintais com 50 m2, até às áreas médias entre 500m2 e os 5.000m2.

O PAN Faial promoverá também a aposta na criação de hortas urbanas biológicas que se tornem espaços de lazer, convívio e aprendizagem com um forte potencial de incremento da qualidade de vida dos seus utilizadores. Estas hortas devem servir os aglomerados urbanos da Hortheco, bairro das Angústias, bairro Fundo Fomento Habitação, bairro da Boavista e o bairro Mouzinho Albuquerque.

Na bioconstrução há também que dar passos firmes. A candidatura defende que a Urbhorta inicie experiências neste tipo de construção e que os cidadãos sejam envolvidos no processo, promovendo, por exemplo, a formação específica à adequada realidade local. Esta bioconstrução multiplicará o emprego em torno também de casas auto-sustentáveis. Para o PAN Faial urge fomentar o aumento de técnicos de energias renováveis, canalizadores, eletricistas, mecânicos, entre outros.

A proteção animal da ilha é também uma prioridade nesta candidatura pelo que urge criar um regulamento municipal de que vise reforçar políticas públicas de saúde e bem-estar animal. Em paralelo promovemos uma urgente campanha de esterilização para combater o flagelo do sobrepopulação de animais de companhia e o flagelo do abandono.

Para os mais necessitados, em situações de vulnerabilidade socioeconómica, pretendemos criar um Centro de Atendimento Veterinário para Animais. Esta proposta será um complemento à campanha de esterilização e cuidados de saúde para animais de rua em que se aplique a máxima "captura-esterilização-devolução".

Visando combater o flagelo do abandono e dos maus tratos, a autarquia deve realizar campanhas de sensibilização para uma adoção responsável de animais de companhia. Devem também ser realizadas campanhas de identificação eletrónica dos animais de companhia para apuramento do número de animais existentes e combater o abandono. Mais, propomos que autarquia modernize os equipamentos municipais existentes, adequando-os às necessidades de recolha e alojamento de animais abandonados.

Por fim na causa animal, o Faial deve assumir o claro compromisso de não autorizar espetáculos com animais, nomeadamente de circos, e atividades que envolvam sofrimento físico ou psicológico e emocional a animais.

No prisma ambiental, propomos a implementação de um quinto contentor, o dos resíduos orgânicos. Anualmente esta ilha importa toneladas de adubo químico e orgânico. Esta é uma área de onde a empresa municipal do nosso concelho pode tirar partido substituindo toda esta importação, ganhando valor financeiro através da produção de adubo orgânico para as empresas faialenses e quiçá exportar para as outras ilhas.

Para reforçar a participação cívica a candidatura defende que uma Câmara mais perto dos Faialenses necessita de um sistema de queixas online. É primordial que nos próximos quatro anos seja criado um sistema onde os habitantes deste concelho possam identificar o que está menos bem e o que deve ser melhorado.

Na área da educação queremos continuar com os bons projetos mas é primordial que se façam parcerias com o governo regional para a plantação de árvores de fruto, aromáticas e hortaliças nos jardins das nossas escolas. “Não podemos continuar com escolas sem espaços verdes numa região que apela ao turismo da natureza” afirma Hugo Rombeiro candidato à Câmara Municipal.

A mobilidade e o urbanismo são também prioridades para o PAN Faial pelo que as ruas pedonais terão que ter o investimento necessário para tomarem forma. Há que ter espaços onde os cidadãos no seu dia-a-dia possam conviver.

Propõe-se ainda um plano urbanístico a ser criado no centro de cada uma das treze freguesias, que não seja cortado a meio pela estrada regional. É impreterível que esses centros tenham um jardim, um palco, um espaço amplo para que as freguesias organizem os seus eventos. Mais, a ilha precisa de um sistema de transportes públicos em que os reformados possam viajar entre freguesias.

Há também que apostar numa ciclovia que vá da praia da Conceição ao porto da Feteira. “Precisamos os cidadãos possam praticar desporto na costa feteirense e não numa variante”, aponta Hugo Rombeiro.

O PAN Faial gratifica a deslocalização das Assembleias Municipais pelas freguesias mas as mesmas não podem ser feitas durante a semana e em horário laboral. O PAN Faial propõe que as Assembleias Municipais passem a ser feitas aos fim-de-semanas para que os Faialenses possam assistir às mesmas.

A candidatura também promoverá a possibilidade de um grupo de cidadãos, através de petição possa pedir debate sobre o tema pretendido durante as sessões ordinárias das Assembleias Municipais. "Os governantes e representantes não podem continuar atrás dos papéis e de jornais. Temos que criar as condições e ouvir os cidadãos de frente sem receio da crítica." reforça Hugo Rombeiro.

Julho de 2017